Efeito dos compostos nitrogenados sobre os juvenis de Camarão-Rosa Farfantepenaeus brasiliensis (Latreille, 1817) (Crustacea: Decapoda)

Autor: Bruno Ribeiro de Campos (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Fernando D'Incao
Co-orientador: Dr Wilson Francisco Britto Wasielesky Junior

Resumo

A aquicultura cresce rapidamente quando comparada a outros setores de produção de alimentos de origem animal. No Brasil, o consumo de camarões proveniente de cultivo vem crescendo muito nos últimos anos. Tentando diversificar a produção brasileira de camarões e diminuir os riscos ambientais causados com a utilização de espécies exóticas em ambientes costeiros, a Estação Marinha de Aqüicultura da Universidade Federal do Rio Grande vem realizando estudos para desenvolver um pacote tecnológico de produção para as espécies nativas Farfantepenaeus paulensis e F. brasiliensis em sistemas alternativos no estuário da Lagoa dos Patos. Com isso será possível um melhor aproveitamento da produtividade natural em áreas estuarinas, possibilitando menores custos e permitindo a pescadores artesanais e pequenos agricultores, acesso a uma nova fonte de renda. O desenvolvimento e domínio das técnicas de aquicultura têm provocado intensificação na criação de diferentes espécies, existindo uma tendência de incremento na geração de compostos nitrogenados nesses sistemas de cultivo. Os compostos nitrogenados ocorrem naturalmente no meio aquoso, podendo provocar mortalidade ou afetar o crescimento dos organismos aquáticos. As formas nitrogenadas mais abundantes nos viveiros de cultivo são a amônia, o nitrito e o nitrato. A amônia é o produto final do catabolismo protéico da maioria dos organismos aquáticos. No meio aquoso, a amônia está presente na forma ionizada e não ionizada, sendo que a soma das duas constitui a amônia total. A forma química mais tóxica é a amônia não-ionizada, devido à sua capacidade de difusão pelas membranas celulares, e também pelo fato do efeito da amônia ionizada ser menos pronunciado. O nitrito é o composto intermediário na nitrificação bacteriana da amônia a nitrato (em meios oxidantes), ou produto da denitrificação do nitrato (em ambientes redutores). Este pode vir a ser bastante tóxico, de acordo com a sua concentração no meio e do estágio de desenvolvimento em que se encontram os organismos cultivados, podendo causar mortalidade em larviculturas e sistemas de cultivo. O nitrato, por ser o produto final da nitrificação, pode acumular-se em grandes quantidades, principalmente em sistemas fechados de cultivo. Esta substância pode causar efeitos letais ou subletais para diferentes organismos, ou ainda, atuar sinergicamente com outros compostos nitrogenados. A partir dessas afirmações, torna-se extremamente importante o estudo dos seus efeitos tóxicos para o desenvolvimento de diferentes espécies. Para isso, experimentos de laboratório foram realizados, com a finalidade de avaliar os efeitos dos compostos nitrogenados sobre os juvenis de F. brasiliensis. Foram determinados, através de ensaios de toxicidade de curta duração, as concentrações letais medianas e os níveis de segurança de amônia, nitrito e nitrato para a espécie. Os produtos nitrogenados mostraram-se potencialmente tóxicos, em concentrações menores do que o nível de segurança proposto. Analisando o crescimento e a sobrevivência de juvenis expostos aos nitrogenados, o camarão F. brasiliensis foi suscetível aos compostos em concentrações equivalentes aos níveis de segurança propostos para a espécie. Para o consumo de oxigênio, os juvenis de camarão-rosa expostos a concentrações de nitrogenados com 200% do nível de segurança expressaram o maior consumo. Por sua vez, o consumo alimentar dos juvenis de F. brasiliensis foi influenciado pelos compostos testados (nitrito e nitrato).

TEXTO COMPLETO