Produção de larvas e juvenis do peixe-rei marinho Odontesthes argentinensis com diferentes frequências alimentares

Autor: Mauren dos Santos Oliveira (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Luís André Nassr de Sampaio

Resumo

As dificuldades encontradas na alimentação de larvas e juvenis de peixes são um dos fatores limitantes para o sucesso da piscicultura marinha, portanto este estudo foi realizado com o intuito de avaliar os efeitos de diferentes freqüências alimentares sobre a sobrevivência e o crescimento de larvas e juvenis do peixe-rei marinho Odontesthes argentinensis. As larvas foram alimentadas com náuplios de Artemia 1, 2 e 4 vezes ao dia e os juvenis (peso médio de 96 mg) foram alimentadas com ração 2, 4 e 6 vezes ao dia, todos os tratamentos foram realizados em duplicata. Os resultados foram analisados com Análise de Variância (ANOVA) seguida do Teste de Tukey ao nível de significância de 95%. A sobrevivência do peixe-rei não foi significativamente afetada pela freqüência alimentar empregada (P>0,05), independente do tratamento a sobrevivência foi sempre superior a 90%. Por outro lado, diferenças significativas foram encontradas para o crescimento (P<0,05), as maiores larvas e juvenis foram aqueles criados com as freqüências alimentares mais elevadas. Os resultados deste trabalho demonstram que a performance das larvas e juvenis de peixe-rei é aprimorada quando eles são alimentados várias vezes ao dia.

TEXTO COMPLETO