Metazoários parasitas de juvenis do peixe-rei Odontesthes bonariensis Cuvier & Valenciennes, 1835 em cultivo experimental

Autor: Tatiane Penteado Gonçalves  (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Joaber Pereira Júnior
Co-orientador: Dr Luís André Nassr de Sampaio

Resumo

O conhecimento de associações parasitárias, seus índices e forma de ocorrência em cultivo de peixes são fundamentais para a elaboração de estratégias de prevenção e controle. Um experimento com oitenta espécimes de Odontesthes bonariensis, foi estabelecido para caracterizar a transmissão e a diversidade de metazoários parasitos, sua forma de ocorrência e índices parasitológicos associados no cultivo experimental. Além disso, foram verificadas eventuais diferenças no peso dos peixes ao final do experimento. Os peixes foram divididos em quatro grupos que receberam diferentes dietas durante 60 dias: ração; ração+plâncton; camarão; camarão+plâncton. Ao final do experimento foram encontrados Digenea (Trematoda), Proteocephalidae (Cestoda), Nematoda e Isopoda (Crustacea). Há evidências de que os Proteocephalidae sejam transmitidos por componentes do plâncton, os Digenea e Nematoda pelo camarão Palaemonetes argentinus (Decapoda). A parasitose pelo Isopoda, identificado como Artystone trysibia (Cymothoidae), não está relacionada com a dieta do hospedeiro. A comparação do peso dos hospedeiros sugere que peixes que consomem plâncton alcançam um peso maior ao final do experimento, mesmo com a ocorrência da parasitose por Proteocephalidae. Diante do potencial patogênico de A. trysibia, neste estudo é apresentada uma revisão da biologia das espécies incluídas em Artystone bem como uma chave de identificação de suas espécies.

TEXTO COMPLETO