Desenvolvimento inicial e comportamento alimentar da matrinxã Brycon amazonicus (Gunther, 1869), em laboratório

Autor: Ana Carolina Souza Sampaio  (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Mario Roberto Chim Figueiredo
Co-orientador: Dra Marle Angelica Villacorte Correa

Resumo

O objetivo deste trabalho foi descrever os principais eventos ocorridos durante o desenvolvimento inicial da matrinxã Brycon amazonicus, correlacionando-os com o comportamento alimentar apresentado pelas larvas no período de 24 a 240 h após a eclosão (HAE) ou 10 dias. O objetivo do primeiro capítulo foi descrever o desenvolvimento embrionário e larval da matrinxã, caracterizando os principais eventos ocorridos até 72 h após a fertilização (HAF). O trabalho foi desenvolvido na Estação de Piscicultura de Balbina Município de Presidente Figueiredo. A caracterização foi feita com base na análise estéreo-microscópica, morfométrica e comparação bibliográfica. Os ovos da matrinxã são livres, transparentes, esféricos com grande espaço perivitelínico (0,56 ± 0,3 mm). As sucessivas clivagens originam células com 64 blastômeros na primeira hora AF. A gástrula, iniciada 02 h e 40 min AF, caracterizou-se por progressiva involução celular e formação do eixo embrionário, culminando com diferenciação de cabeça e cauda, com 05 h e 30 min AF. A embriogênese teve duração de 3 h com formação de somitos, notocorda, vesículas óptica, ótica e otólitos, além de batimentos cardíacos e liberação da cauda. As larvas eclodiram com 10 h e 30 min AF, quando teve início o estágio larval, em temperatura média de 29,9ºC. As larvas eclodiram com 3,56 ± 0,46 mm de comprimento total. Entre 19 e 30 h após a fertilização (HAF) foram observadas: 1) pigmentação e formação do tubo digestivo 2) surgimento de arcos branquiais 3) nadadeira peitoral 4) abertura da boca e 5) surgimento dos dentes. O canibalismo foi iniciado às 34 HAF, com 5,7 ± 0,66 mm de comprimento total, abertura bucal 1,46 ± 0,19 mm e intensos movimentos mandibulares acompanhados de natação vertical. A larva está apta à natação, busca e apreensão de presas e escape de predadores desde 60 HAF, permitindo sua transferência aos viveiros de alevinagem. No segundo capítulo se objetivou conhecer a seletividade alimentar da matrinxã no período de 24 a 240 h após a eclosão (HAE). Foram ofertados diariamente uma mistura de organismos zooplanctônicos (50 organismos/larva) e ração. A mistura ofertada foi previamente quali e quantificada e as larvas alimentadas eram amostradas diariamente para verificação do conteúdo alimentar no trato digestório analisado sob estereomicroscópio. Não foi observada seleção por organismos menores (Rotíferos e náuplios) e não foi observada correlação entre as medidas morfométricas da larva e medidas da presa. Os resultados mostram seleção por alimento vivo, com preferência alimentar por Cladóceros até o décimo dia de vida. No terceiro capítulo foi avaliado o desempenho das larvas quando submetidas a diferentes tratamentos alimentares, no período de 28 a 100 HAE, sendo: T1 = ração; T2 = zooplâncton e T3 = Ração + zooplâncton. O T3 apresentou maior taxa de crescimento específico (TCE) (2,03) e comprimento (6,49 mm), contudo a sobrevivência não diferiu entre os tratamentos. As larvas iniciaram a ingestão de alimento vivo ou ração no período entre 40 e 43 HAE, quando restavam pequenas proporções da reserva endógena (vitelo), indicando início de alimentação exógena neste período e utilização do alimento vivo até 240 HAE. Diante dos resultados observados, acredita-se que um correto manejo alimentar deve considerar redução no período de incubação de 72 h para 40 h, quando as larvas deverão receber alimento vivo e treinamento alimentar para aceitação de ração até o 10º dia após a eclosão. Isto possivelmente proporcionará maiores taxas de sobrevivência na larvicultura.

TEXTO COMPLETO