Efeitos da alcalinidade e da dureza da água na sobrevivência, crescimento e ionorregulação do camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis (Pérez-Farfante, 1967), cultivado em baixas salinidades

Autor: Jaqueline Said Said (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Adalto Bianchini
Co-orientador: Dr Wilson Francisco Britto Wasielesky Junior

Resumo

Com o objetivo de avaliar os efeitos da alcalinidade e da dureza da água na ionorregulação, sobrevivência e crescimento do camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis cultivado em baixas salinidades, dois experimentos foram realizados na Estação Marinha e Aquacultura (EMA) – FURG. No Experimento 1, a curto prazo (96h), foram testadas a sobrevivência e ionorregulação hemolinfática (Na+, K+, Ca2+, Mg2+ e Cl-) em juvenis de F. paulensis em diferentes salinidades (10, 5, 2, 1 e 0,5) e em 5 tratamentos: sem adição de sais reagentes no meio de cultivo (controle), adição de CaSO4 para manter a dureza de cálcio em níveis similares àquele observado na salinidade 10 (dureza de cálcio), adição de MgSO4 para manter a dureza de magnésio em níveis similares àquele observado na salinidade 10 (dureza de magnésio), adição de CaSO4 e MgSO4 para manter as durezas de cálcio e magnésio similares àquelas observadas na salinidade 10 e adição de Na2CO3, CaSO4 e MgSO4 para manter a alcalinidade e as durezas de cálcio e magnésio em níveis similares àqueles observados na salinidade 10. No Experimento 2, foram testados em longo prazo (30 dias) a sobrevivência, o crescimento e a ionorregulação de juvenis de F. paulensis utilizando-se os mesmos tratamentos mencionados acima e em diferentes salinidades (10, 5, 2 e 1). As variáveis da água (temperatura, oxigênio dissolvido, pH, amônia total, alcalinidade e composição iônica) foram monitoradas nos dois experimentos. Os resultados obtidos demonstraram que a adição dos sais minerais (CaSO4, MgSO4 e Na2CO3) na água de cultivo aumentou significativamente a tolerância de juvenis de F. expostos a baixas salinidades por um curto período de tempo (96 h). Observou-se também que os juvenis de F. paulensis não toleram longos períodos de exposição à salinidades inferiores a 2, sugerindo que esta espécie não mantém suas funções fisiológicas de ionorregulação em perfeitas condições em salinidades tão baixas, mesmo com o aporte de sais minerais aos meios de cultivo. Apesar disso, os resultados obtidos indicaram claramente que a alcalinidade e a dureza da água têm importante influência no crescimento de F. paulensis até salinidade 2, uma vez que a manutenção em níveis elevados destes parâmetros possibilita aos camarões uma melhor capacidade de manutenção da ionorregulação hemolinfática. De acordo com as condições do presente estudo e levando-se em consideração a fisiologia de F. paulensis, é possível melhorar as taxas de sobrevivência e crescimento desta espécie em cultivos com salinidades baixas, desde que sejam adotadas algumas técnicas de adição de sais minerais à água dos viveiros de cultivo.

TEXTO COMPLETO