Efeito da adição de Thalassiosira weissflogii e de silicato no cultivo do camarão-branco Litopenaeus vannamei em sistema super intensivo com bioflocos

Autor: Shayene Agatha Marzarotto (Currículo Lattes)
Orientador: Dra Clarisse Odebrecht
Co-orientador: Dr Wilson Francisco Britto Wasielesky Junior

Resumo

Algumas diatomáceas são importantes na aquicultura pelas suas qualidades nutricionais e contribuição na formação de flocos microbianos. Com o objetivo de avaliar o crescimento e manutenção da população da diatomácea Thalassiosira weissflogii em sistema de cultivo de bioflocos e o seu efeito no desempenho do camarão Litopenaeus vannamei, foi realizado um experimento (seis tratamentos, três repetições) com densidade de estocagem de 300 camarões m2: Os tratamentos foram: Controle (sem diatomáceas), T 2,5 (inoculação 2,5x104 células/mL de T. weissflogii); T 5 (inoculação 5,0 x104 células/mL de T. weissflogii); T Si (adição de silicato de sódio); T 2,5 Si (inoculação 2,5 x104 células/mL e adição de silicato de sódio); T 5 Si (inoculação 5,0 x104 cél/mL e adição silicato de sódio), com inoculações de diatomáceas e adições de silicato a cada quatro e sete dias, respectivamente. Os parâmetros físicos e químicos da água foram monitorados diariamente e, a cada três dias, a concentração de amônia, nitrito, alcalinidade, nitrato, silicato, clorofila a e de micro-organismos. Os camarões (peso inicial médio de 0,51±0,41 g) foram alimentados três vezes ao dia, em bandejas com ração comercial 38%PB, a taxa de 8% da biomassa inicial. Após 30 dias, o desempenho foi avaliado quanto a sobrevivência, ganho de peso e taxas de crescimento específico e conversão alimentar aparente. As diatomáceas T. weissflogii permaneceram em alta densidade cerca de 17 dias, coincidindo com alta concentração de nitrito, independentemente do teor de silicato. A alta concentração de nitrito provavelmente afetou negativamente o crescimento de L. vannamei. As cianobactérias dominaram os cultivos desde o início, com presença também de amebas atecadas com filópodes, e em menor número de diatomáceas penadas. A sobrevivência dos camarões foi estatisticamente maior (α=0,05) no tratamento 2,5 (68%), mas a taxa de crescimento especifico e ganho de peso foram similares entre os tratamentos; a taxa de conversão alimentar aparente (TCCA) foi melhor no controle, o qual diferiu significativamente de T 5 e T Si. O silicato parece ter influenciado negativamente a sobrevivência e a TCAA do camarão, mas não no crescimento e manutenção de T. weissflogii nos bioflocos. A presença da T. weissflogii não influenciou ignificativamente no desempenho zootécnico do L. vannamei no presente experimento.

TEXTO COMPLETO