Avaliação do processo de nitrificação no cultivo do camarão branco do Pacífico Litopenaeus vannamei (Boone 1931) com uso de substrato artificial e inóculo de bactérias em sistema de bioflocos (BFT)

Autor: Nathalia Brenda Veiga dos Santos (Currículo Lattes)
Orientador:  Dr Wilson Francisco Britto Wasielesky Junior
Co-orientador: Dr Plínio Schmidt Furtado

Resumo

O camarão-branco-do-pacífico Litopenaeus vannamei é o camarão marinho mais cultivado em todos os tipos de sistemas, assim como no sistema de bioflocos (Biofloc Technology System - BFT). Os flocos são formados por microrganismos (bactérias, ciliados, diatomáceas, nematoides, etc.), fezes, restos de ração, carapaças, entre outros, sendo as bactérias autotróficas responsáveis pelo processo de nitrificação. Essa é uma etapa crucial para esse tipo de cultivo, uma vez que os compostos nitrogenados, em elevadas concentrações, são tóxicos para os camarões. O presente trabalho teve como objetivo promover e identificar o desenvolvimento de bactérias nitrificantes através da adição de substratos artificiais e inóculo de bioflocos no cultivo de L.vannamei em sistema BFT. O delineamento experimental consistiu em quatro tratamentos com três repetições (4x3), sendo esses: Controle: Água clara onde foram formados os bioflocos; IN (10%): Água clara com inóculo de bioflocos (10%); BI: Água clara com substrato (“bioballs” imaturos); BM: Água clara com inóculo de “bioballs” maturos provenientes de um sistema de recirculação. Para tal, foram estocados juvenis de camarão (4,92 ± 0,45g) em 12 tanques de 200L de volume útil, densidade de estocagem de 200 camarões/m3. Os camarões foram alimentados 2x/dia com ração comercial contendo 38% de proteína bruta (Guabi- potimar/38% PB Active), seguindo tabela de alimentação e observações diárias do consumo alimentar, ao longo de quatro semanas de experimento (28 dias). Foram coletadas amostras de bioflocos e dos “bioballs” para detectar o crescimento da população de bactérias nitrificantes e heterotróficas (pseudomonas spp.) através do FISH (Hibridização in situ Fluorescente). Não foi observada diferença significativa entre os tratamentos (P>0,05) para sobrevivência, obtendo os valores médios superiores a 88%. O tratamento IN (10%) obteve menor concentração de amônia e nitrito e maior concentração de nitrato, enquanto BM obteve maior peso final e biomassa final, produtividade, ganho de peso semanal e menor conversão alimentar aparente para resultados de desempenho zootécnico. Ambos apresentaram uma maior quantidade de diatomáceas cêntricas em relação aos outros tratamentos. Verificou-se que o uso de inóculos no início da produção seja na forma de bioflocos ou substratos que já contenham bactérias nitrificantes é uma opção eficaz para evitar concentrações elevadas de nitrito e propiciar uma melhor qualidade de água ao longo do cultivo.

TEXTO COMPLETO