Efeitos da salinidade em parâmetros osmoregulatórios do bijupirá Rachycentron canadum

Autor: Ivanildo de Oliveira Silva (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Luís André Nassr de Sampaio
Co-orientador: Dr Ricardo Vieira Rodrigues

Resumo

O bijupirá Rachycentron canadum é a única espécie de peixe marinho que vem sendo produzida comercialmente no Brasil. A salinidade pode influenciar no desenvolvimento e crescimento de peixes teleósteos e afetar seus processos osmorregulatórios. Esse estudo tem como objetivo analisar o efeito da salinidade sobre os parâmetros osmorregulatórios de juvenis do bijupirá. Os juvenis (213,3 ± 6,1 g: 30,2 ± 0,2 cm) foram submetidos às salinidades 3‰, 9‰, 15‰, 21‰ e 27‰. Após os 15 dias experimentais a sobrevivência dos peixes foi de 100% em todos os tratamentos, sendo que a salinidade não influenciou o crescimento e a conversão alimentar dos peixes. A osmolalidade plasmática aumentou de acordo com o aumento da salinidade em todos os tratamentos. De acordo com nossos resultados foi possível estimar o ponto isosmótico em 376,5 mOsm/kg de H2O, o que corresponde a uma salinidade de 13,4‰. As concentrações de Na+, K+, Ca+, Cl- da água e do plasma também aumentaram com o aumento da salinidade, sendo que os pontos isoiônicos foram determinados em 188,4, 4,8, 5,18 e 181,4 mEq/L, o que corresponde às salinidades de 12,7‰, 20,5‰, 8,7‰ e 7,2‰. Ocorreu um aumento no número de células de cloreto nas brânquias dos peixes quando expostos às salinidades inferiores a do ponto isosmótico. Os valores plasmáticos de glicose foram menores nos tratamentos abaixo do ponto isosmótico, indicando maior custo metabólico dos peixes nessas salinidades. Desta forma podemos concluir que o bijupirá é uma espécie com ampla capacidade osmorregulatória e estes resultados irão contribuir para futuros estudos da composição iônica adequada para o crescimento dessa espécie em baixa salinidade. Estes resultados auxiliarão futuros estudos referentes à composição iônica adequada para o crescimento dessa espécie em baixa salinidade.

TEXTO COMPLETO