Efeito da densidade de estocagem e biofilme sobre o desempenho do camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis cultivados em gaiolas nas fases de berçário e de produção de iscas vivas

Autor: Artur Lima Preto  (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Ronaldo Cavalli
Co-orientador: Dr Wilson Francisco Britto Wasielesky Junior

Resumo

Foram realizados três experimentos com o objetivo de analisar a influência do biofilme e da densidade de estocagem na sobrevivência e no crescimento do camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis nas fases de berçário e de crescimento visando a produção de iscas vivas em gaiolas. O primeiro experimento, com duração de 35 dias, analisou a influência de diferentes densidades de estocagem (100, 200, 300, 400 e 500 ind./m2) na sobrevivência e no crescimento de pós-larvas de F. paulensis (PL25) cultivadas em gaiolas, dentro das quais foram colocados substratos artificiais para o crescimento do biofilme, durante a fase de berçário. Os principais microrganismos presentes no biofilme que se formou nos substratos artificiais foram identificados e quantificados, assim como foi quantificada a concentração de clorofila a deste biofilme. O segundo experimento, no qual foi analisada a influência da adição de substratos artificiais na sobrevivência e no crescimento de pós-larvas de F. paulensis cultivadas em gaiolas na fase de berçário por um período de 35 dias, foi realizado simultaneamente ao primeiro, utilizando-se pós-larvas com as mesmas características do experimento anterior. Neste experimento também se identificou e quantificou os principais microrganismos presentes no biofilme, além de se medir a concentração de clorofila a deste. O terceiro experimento, com duração de 42 dias, analisou a influência de diferentes densidades de estocagem (50, 100 e 200 ind./m2) na sobrevivência, no crescimento e na conversão alimentar aparente de juvenis de F. paulensis (peso médio inicial de 1,04 g) cultivados em gaiolas para obtenção de iscas vivas. No experimento 1 observou-se uma relação negativa entre o aumento da densidade de estocagem de camarões e a sobrevivência/crescimento destes, sendo 400 ind./m2 a densidade de estocagem recomendada para o cultivo em gaiolas na fase de berçário. Observou-se também uma preferência dos camarões pelo consumo de diatomáceas cêntricas. No experimento 2 não foram encontradas diferenças significativas na sobrevivência e no crescimento dos camarões ao se adicionar substratos artificiais no cultivo. No experimento 3 também foi observada uma relação negativa entre o aumento da densidade de estocagem e a sobrevivência/crescimento dos camarões, além de se notar uma tendência de aumento da conversão alimentar dos camarões com o aumento da densidade. Entretanto, considera-se que os resultados obtidos em todas as densidades testadas neste experimento foram satisfatórios, sendo possível utilizar uma estratégia de cultivo onde diferentes densidades são usadas para se obter iscas vivas em diferentes épocas, suprindo a demanda por um maior período de tempo. Sendo assim, a viabilidade técnica do cultivo de iscas vivas de F. paulensis em gaiolas foi demonstrada.

TEXTO COMPLETO