Formação de flocos microbianos em cultivo do camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis e do camarão-branco Litopenaeus vannamei

Autor: Lise Maria Mendes Holanda de Melo Ferreira  (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Paulo Cesar Oliveira Vergne de Abreu
Co-orientador: Dr Wilson Francisco Britto Wasielesky Junior

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi verificar se a formação dos flocos microbianos se dá de forma diferente em cultivos intensivos de Farfantepenaeus paulensis e Litopenaeus vannamei em sistemas heterotróficos sem troca de água (ZEAH). Para isso, procurou-se caracterizar a dinâmica da comunidade microbiana, sua interação com os nutrientes no sistema de cultivo e verificar se o floco microbiano serve como complemento alimentar para estas duas espécies. O experimento consistiu em três tratamentos, com quatro repetições cada: 1) Tratamento SC - sem camarão; 2) Tratamento FP - com o camarão F. paulensis e 3) Tratamento LV - com o camarão L. vannamei. Todos os tratamentos receberam diariamente uma fertilização orgânica a fim de induzir a formação do floco microbiano, mantendo uma razão C:N de 20:1. Tanques de 300 L (200 L de volume útil) foram povoados com juvenis de L. vannamei e F. paulensis (0,06 g e 0,07 g respectivamente) em uma densidade de 300 camarões/m2. Os nutrientes dissolvidos, peso do seston, clorofila a e comunidade microbiana foram analisados através de coletas de água de cada tanque a cada dois dias na primeira semana e depois a cada três dias até o final do período de estudo (35 dias). Os parâmetros de qualidade de água estiveram dentro dos níveis recomendados para o cultivo de camarões peneídeos, não comprometendo seu crescimento e sobrevivência. A presença de espécies distintas de camarões parece influenciar na formação dos flocos microbianos, evidenciado pelos maiores valores de material em suspensão no tratamento LV em comparação com os tratamentos FP e SC. Além disso, observou-se também diferentes concentrações de nutrientes (principalmente fosfato) e distintas relações N:P nos tanques com LV, FP e aqueles sem camarão. Observou-se uma estreita relação entre a quantidade de agregados e a presença de bactérias cocóides aderidas. Estas foram dominantes em LV, onde os valores médios da relação N:P (5,8:1) foram maiores do que nos demais tratamentos. Isto indica que uma a relação N:P mais elevada deve favorecer as bactérias cocóides produtoras de muco e que estas participam na formação dos flocos microbianos. O ganho de peso e peso final em LV foi duas vezes maior do que FP. O Fator de Conversão Alimentar (FCA) aparente em LV foi menor do que o observado em cultivos em água clara, o que nos permite inferir que a microbiota dos agregados serviu como alimento suplementar para o L. vannamei, o mesmo não acontecendo para F. paulensis x devido, provavelmente, às suas elevadas exigências nutricionais ou por seus hábitos alimentares diferentes de L. vannamei que parece estar melhor adaptado ao consumo de agregados.

TEXTO COMPLETO