Efeito da suplementação das microalgas marinhas Conticribra weissflogii e Nannochloropsis oceanica no teor de lipídeos e ácidos graxos e no crescimento do camarão branco Litopenaeus vannamei em sistemas de bioflocos (BFT)

Autor: Francianny da Silva Costa (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Paulo Cesar Oliveira Vergne de Abreu
Co-orientador: Dr Wilson Francisco Britto Wasielesky Junior

Resumo

As microalgas têm grande importância na aquicultura, pois melhoram a qualidade da água e ainda constituem uma boa fonte de nutrientes como lipídeos, ácidos graxos, proteínas e vitaminas. No sistema de bioflocos, a qualidade da água é mantida de maneira eficiente por bactérias e também por microalgas, que servem como complemento alimentar para os organismos produzidos. Este trabalho teve por objetivo geral avaliar a suplementação das microalgas marinhas Nannochloropsis oceanica e Conticribra weissflogii fornecida em meio de cultivo e concentrada (úmida e seca) na água de produção e no desempenho do camarão-branco Litopenaeus vannamei, produzido em sistema BFT. Para isto, foram realizados três experimentos com adição das microalgas. Os 2 primeiros experimentos se diferenciaram quanto ao tamanho dos animais (0,014g e 0,70g), mas eram compostos dos mesmos tratamentos (com três repetições), 1) Controle - sem adição de microalgas, 2) TM – com adição de microalgas em meio de cultivo; 3) TU – com adição de biomassa úmida de microalga e 4) TS – com adição de biomassa seca de microalga. No experimento 3, foi adicionada 125 g de biomassa úmida da microalga N. oceanica aos tratamentos: TBM- bioflocos com microalgas, TAM- água clara com microalgas e TBFT- bioflocos, TAC- água clara sem microalgas. Todos com três repetições. Foram monitorados parâmetros de qualidade de água como temperatura, salinidade, oxigênio, amônia, nitrito, nitrato, fosfato, pH, alcalinidade e SST. Para os experimentos 2 e 3 foram realizadas análises de lipídeos e ácidos graxos. Nos experimentos 1 e 2, não houve diferenças significativas nos parâmetros de qualidade de água. No experimento 3, os níveis de amônia nos tratamentos com água clara foram maiores do que nos tratamentos com bioflocos, enquanto o nitrato foi mais elevado nos tratamentos com bioflocos. No experimento 1, o peso final foi maior nos tratamentos com microalga úmida e controle para a C. weissflogii, enquanto que não houve diferenças significativas para N. oceanica. No experimento 2, não houve diferenças significativas no desempenho zootécnico dos camarões. Já para o experimento 3, o maior peso final foi encontrado nos tratamentos com adição de microalgas (TBM) e (TAM). No experimento 2 os valores de lipídeos no músculo do camarão não apresentaram diferenças para as duas microalgas. Os ácidos graxos C 16:0 e C 18:0 apresentaram maiores valores em TM de N. oceanica, enquanto que para C. weissflogii, os maiores valores foram encontrados para os ácidos graxos poli-insaturados C 20:4 (TU) e C22:6 (TM). No terceiro experimento, os teores de lipídeos foram maiores no tratamento TBM, diferindo estatisticamente apenas do TAC. Já para os ácidos graxos, maiores valores foram encontrados em C 16:0 (TAC) e C 18:0 (TAM), C 20:2 e C 22:5 (tratamento controle). As microalgas beneficiaram o crescimento especialmente de camarões maiores (10 g). Entretanto, o fator que mais beneficiou não foi o lipídeo, mas provavelmente a proteína presente nas microalgas. O oferecimento de microalgas na forma de pasta, ou pó, pode ser uma boa estratégia para a melhora do desempenho zootécnico de L. vannamei, com menos esforço de produção, já que as microalgas podem ser produzidas na entressafra da produção de camarões e estocadas para uso posterior.

TEXTO COMPLETO