Suplementação dietética de alho modula positivamente o sistema imunológico e a morfologia intestinal de juvenis do bijupirá Rachycentron canadum

Autor: Victor Santos Lira da Nóbrega  (Currículo Lattes)
Orientador: Dr Ricardo Vieira Rodrigues
Co-orientador: Drª Virgínia Pedrosa

Resumo

O bijupirá apresenta grande potencial para produção devido sua elevada taxa de crescimento, rusticidade durante o manejo e elevado valor de mercado, sendo a única espécie peixe marinho que vem sendo produzida comercialmente no Brasil. A aplicação de substâncias com propriedades imunoestimulantes, como o alho, tem sido considerada uma abordagem eficiente no manejo da saúde em peixes na aquicultura. Portanto, o objetivo do presente estudo foi determinar os efeitos da adição de alho na ração no desempenho zootécnico e nos índices hematológicos e imunológicos de juvenis de  bijupirá Rachycentron canadum. Os juvenis com ~170 g e 30 cm foram estocados em seis tanques-rede de 12 m3 10 (40 juvenis por tanque-rede) na Maricultura Costa Verde, litoral sul do Rio de Janeiro. Três tanques foram alimentados com ração úmida (controle) e três tanques com ração úmida com 1% do peso úmido total adicionado de alho/Kg (tratamento). Os peixes foram alimentados duas vezes ao dia durante 68 dias. Ao final do período experimental não foram observadas diferenças significativas  (P>0,05) no desempenho zootécnico entre os tratamentos. Os índices zootécnicos entre o controle e o tratamento, foram respectivamente: ganho de peso foi de 80 e 93%; biomassa final foi de 12,62 Kg e de 12,66 Kg; taxa de conversão alimentar aparente 4,9 e 5,5 e sobrevivência de 99 e 97%. Foram significativamente maiores os linfócitos circulantes, assim como foi observada uma maior expressão fenotípica nos linfócitos CD3 (cel/mm2) e CD4 (cel/mm220 ) nos rins dos peixes alimentados com ração contendo alho. Os monócitos (%), trombócitos (%) e relação N:L foram significativamente maiores nos peixes que se alimentaram da ração sem alho. Na porção média do intestino a altura da vilosidade (mm) e números de vacúolos (mm) foram também superiores nos peixes alimentados com adição de alho. Portanto, o alho beneficiou o sistema  imunológico e a morfologia intestinal de juvenis do bijupirá, sendo recomenda sua inclusão na alimentação dos peixes.

TEXTO COMPLETO